Relacionamento afetivo paralelo com pessoa casada configura união estável?

Atualmente é possível afirmar a existência de tipos diferentes de uniões, como o casamento, a união estável, o concubinato e a união livre (ou poliamor ou união estável simultânea). No entanto, em que pese a possibilidade de tipos de relacionamentos diversos entre as pessoas, o ordenamento jurídico brasileiro atribui a geração de efeitos jurídicos de direito de família a apenas alguns.

O ordenamento jurídico brasileiro prevê três modalidades típicas para a união afetiva de pessoas, são eles: o casamento, a união estável e o concubinato.

Casamento é denominado pela união voluntária entre duas pessoas com o objetivo de constituir família, por meio de ato jurídico complexo, público e solene, estabelecido de acordo com a lei. Para sua regular efetivação, é necessário observar determinados pressupostos (não se encaixar em causas de impedimento, idade núbil, proceder com a habilitação e celebrá-lo nos termos definidos em lei, etc.). Sua prova dar-se-á por meio da certidão do registro de casamento.

A união estável é o nome dado ao relacionamento público, contínuo e duradouro estabelecido entre duas pessoas cujo objetivo é a constituição de uma família. A união estável é regida, via de regra, pela informalidade, ou seja, configurado os pressupostos acima, já estamos diante dos efeitos de direito de família atinentes à união. Não existe, portanto, para o seu reconhecimento ato jurídico complexo, público e solene tal como ocorre no casamento.

O concubinato é a união de uma pessoa casada (ou que vive em união estável) com outra pessoa solteira, casada ou que também viva em união estável com outrem. Chamamos as pessoas que vivem nesse tipo de relacionamento de amantes.

Uma relação paralela a um casamento ou uma união estável, via de regra, não produz efeitos de direito de família, ou seja, a esse tipo de relação não são atribuídos a presunção do esforço comum nas aquisições patrimoniais, tão pouco direitos à pensão alimentícia, etc. Nesse tipo de união, portanto, comprova-se uma sociedade de fato entre os concubinos, sendo cabível a dissolução judicial da referida sociedade, com a partilha do patrimônio adquirido pelo esforço comum.

Eis, portanto, a grande diferença dos efeitos jurídicos para quem vive em união estável ou em casamento para quem vive em concubinato. Ou seja, enquanto no casamento e na união estável há presunção de esforço comum na partilha de bens, além da garantia de outros direitos decorrentes do direito de família. No concubinato, é necessário demonstrar que o patrimônio foi adquirido pelo esforço comum para que haja a partilha e dissolução da sociedade.

Nesse sentido, em resposta ao título do artigo, conclui-se que o relacionamento afetivo com pessoa casada, via de regra, não configura união estável, mas concubinato, logo, não se aplica os direitos decorrentes do direito de família, mas tão apenas os direitos relativos a sociedade de fato.

No entanto, é importante destacar as exceções à regra acima. Nesse sentido, uma vez demonstrado que o amante, embora casado, esteja separado de fato ou juridicamente do outro cônjuge, não estamos a falar mais de concubinato, mas de união estável propriamente dita, pois há previsão expressa em lei que admite o reconhecimento da união estável quando for demonstrado pelos companheiros que existe a separação de fato ou jurídica do outro. É dizer que, no caso concreto, aplicar-se-á os direitos decorrentes do direito de família.

Em que pese o tema ser muito polêmico, outra exceção que podemos encontrar no qual se admite o reconhecimento da união da união estável e consequente aplicação dos efeitos atinentes ao direito de família é o caso da união estável putativa.

Na união estável putativa o convivente solteiro desconhece que o seu parceiro é casado, sendo levado a erro pelo outro companheiro que omite deliberadamente sobre o seu verdadeiro estado civil. Exemplo disso, com destaque no século passado, entre caminhoneiros que em razão das viagens constantes formavam família nas cidades que passavam, levando a erro as mulheres. Hoje em dia, muito mais difícil em razão do avanço social e de comunicação das pessoas.

Na hipótese de união estável putativa, existe entendimento jurisprudencial que admite a possibilidade, por exemplo, da companheira partilhar com a esposa pensão por morte deixada pelo varão.


Entre em contato com nosso escritório

Para obter mais informações sobre assuntos de casamento, união estável e concubinato, entre em contato com o escritório do Dr. Angelo Mestriner no telefone (11) 5504-1941. Durante a consulta jurídica inicial, você pode discutir suas preocupações específicas.

Nós representamos pessoas na cidade de São Paulo e grande São Paulo, além de todo Brasil onde já esteja implementado o processo eletrônico.


AVISO LEGAL: Este artigo fornece apenas informações genéricas e não pretende ser aconselhamento jurídico e não deve ser utilizado como tal. Se você tiver alguma dúvida sobre seus assuntos de direito de família, entre em contato com o nosso escritório.


Mais sobre casamento e união estável

1) Perguntas frequentes sobre reconhecimento e dissolução de união estável.

2) A importância da escritura pública de união estável.

3) Casar ou unir – conheça as diferenças entre casamento civil e união estável.

4) Pensando em viver em união estável?

5) Perguntas frequentes sobre casamento e regime de bens.

6) Perguntas frequentes sobre contrato pré-nupcial.

7) Perguntas frequentes sobre divórcio e partilha de bens.


Siga-nos nas nossas redes sociais
Sobre o advogado
Advocacia familiar. Advogado especializado em assuntos sobre assuntos de casamento, união estável e concubinato.

é advogado especialista em Direito de Família e Sucessões. Atua exclusivamente com causas familiares desde o período acadêmico quando iniciou suas atividades no Escritório Modelo mantido pela Faculdade e, após, no Ministério Público do Estado de São Paulo. Atualmente é membro ativo do Instituto Brasileiro de Direito de Família e dedica-se exclusivamente à advocacia.

Escritório
O escritório se diferencia dos outros escritórios tradicionais oferecendo uma estrutura que permite que o cliente seja atendido em salas individuais de modo a garantir sigilo e discrição da causa.

A localização do escritório também privilegia a mobilidade e acessibilidade do cliente. Nesse sentido, o escritório de advocacia em direito de família de São Paulo do Dr. Angelo Mestriner está localizado no coração da cidade de São Paulo, com endereço na Avenida Paulista, 726, 17° andar, conjunto 1707, Bela Vista – São Paulo/SP – CEP: 01310-910, entre a Avenida Brigadeiro Luís Antônio e a Alameda Joaquim Eugênio de Lima, garantindo, desse modo, maior facilidade de deslocamento aos seus clientes uma vez que está a poucos metros da estação de metrô Brigadeiro (linha 2-verde).

O escritório oferece advocacia em São Paulo, com forte atuação no Fórum Central João Mendes Jr, Foro Regional de Santana, Foro Regional de Santo Amaro, Foro Regional do Jabaquara, Foro Regional da Lapa, Foro Regional da Vila Prudente, Foro Regional de São Miguel Paulista, Foro Regional da Penha de França, Foro Regional de Itaquera, Foro Regional do Tatuapé, Foro Regional do Ipiranga, Foro Regional de Pinheiros, Foro Regional de Nossa Senhora do Ó, Foro Regional do Butantã.

Nesse sentido, destacamos alguns bairros paulistas que abrangem a área de atuação do escritório de advocacia do dr. Angelo Mestriner que pertencem às regiões mencionadas acima: bairro Aclimação, bairro Bela Vista, bairro Bosque da Saúde, Bairro Brás, bairro Cambuci, bairro Campo Belo, bairro Campo Limpo, bairro Consolação, bairro Cursino, bairro Higienópolis, bairro Ibirapuera, bairro Indianópolis, bairro Ipiranga, bairro Itaim Bibi, bairro Jabaquara, bairro Jardim Aeroporto, bairro Jardim da Saúde, bairro Jardim Paulistano, bairro Moema, Bairro Mooca, bairro Morumbi, bairro Paraíso, bairro Pinheiros, bairro Planalto Paulista, bairro República, bairro Sacomã, bairro Santana, bairro Santo Amaro, bairro Saúde, bairro Vila Clementino, bairro Vila Gumercindo, bairro Vila Mariana, bairro Vila Madalena, bairro Vila Prudente, dentre outros.

Não menos importante o escritório de advocacia em direito de família do dr. Angelo Mestriner também tem atuação nacional em todas as principais cidades que já tenham implementado o processo judicial eletrônico.

Exclusividade
O cliente é atendido pelo mesmo advogado do início ao fim do processo de modo proporcionar ao cliente uma relação mais próxima com o advogado, estabelecendo, nesse viés, confiança e segurança entre todos os envolvidos, principalmente nos litígios que envolvem causas familiares, onde muitas vezes há desgastes emocionais entre os envolvidos.

Fale com o advogado
Nosso email para contato: atendimento@angelomestriner.adv.br


Contatos
Endereço
Av. Paulista, 726, 17° andar, conjunto 1707, caixa postal 075 - Bela Vista – São Paulo/SP – CEP: 01310-910.
Telefone(s)
(11) 5504.1941
(11) 2385.2972
Horário de Atendimento
Dias da semana e horário de atendimento do escritório:
De segunda-feira a Sexta-feira das 08h30 às 20h00 e aos Sábados 08h00 às 12h00.

Atuação


Palavras-chave
união estável, contrato de união estável, escritura pública de união estável, dissolução de união estável, patrimônio, investimentos, pensão por morte, INSS, direitos do convivente, divisão dos bens, aposentadoria, advogado, advogado sp, advogado forum central, advogado forum santana, advogado forum lapa, advogado forum pinheiros, advogado forum itaquera, advogado forum butanta, advogado forum joao mendes, advogado forum nossa senhora do o

#Hastag
#uniãoestável #contratodeuniãoestável #escriturapúblicadeuniãoestável #dissoluçãodeuniãoestável #patrimônio #investimentos #pensãopormorte #INSS #direitosdoconvivente #divisãodosbens #aposentadoria #advogado #advogadosp #advogadoforumcentral #advogadoforumsantana #advogadoforumlapa #advogadoforumpinheiros #advogadoforumitaquera #advogadoforumbutanta #advogadoforumjoaomendes #advogadoforumnossasenhoradoo

Links importantes

Oab São Paulo; Oab Jabaquara; Oab Ipiranga; Oab Vila Prudente;
Defensoria Pública
Conselho Nacional da Justiça
Tribunal de Justiça de São Paulo
Instituto Brasileiro de Direito de Família